A revanche da cultura popular

Logo após a queda do Muro de Berlim e a derrocada do Socialismo, muitos historiadores e pensadores deram como certo o “fim da história” e a hegemonia despótica do sistema capitalismo a nível global. No início dos anos 1990, o maior fenômeno da história dos homens toma forma e abrangência: a globalização. Dentre suas várias facetas (econômica, financeira e técnica), a mais desafiadora e eficaz é, sem dúvida, a globalização cultural. Generalizando os exemplos, hoje nós assistimos aos mesmos filmes (hollywoodianos), comemos as mesmas comidas (fast foods), vestimos as mesmas roupas (jeans), falamos a mesma língua (inglês), ouvimos as mesmas músicas (pop/rock) e comungamos de um pensamento universal (todos ligados às redes sociais), relativista (“tudo que é sólido se desmancha no ar”) e policultural (não numa perspectiva de respeito às microculturas, mas de inclusão de todos no sistema capitalista de consumo).

.

Cria-se, portanto, paralelamente ao sistema-mundo político-econômico, um sistema-mundo cultural, resultante da produção cultural que privilegia a hiperinformação como instrumento de difusão de valores desse novo ideário. Essa cultura de massa sobrepujante é produto de uma conjugação de esforços mercantilistas que utilizam os meios de comunicação de massa (TV, rádio, revista, jornal e internet) para transformar cultura em mercadoria, algo que pode ser absorvido e comprado, e, além disso, construir um projeto comum e hegemônico. Esse projeto de cultura padronizada despopularizou a cultura popular com uma nova forma de censura. Não se proíbe ou taxa de “mau gosto” ou “baixa qualidade” a cultura popular, o argumento mercadológico mais usado é o de “isso não vende mais”, quando na verdade, para “vender” cultura basta repeti-la à exaustão.

.

Não tão visível, observamos um combate silencioso travado pela cultura popular (sim, aquela produzida fora dos contextos institucionalizados e mercantis). Os mesmos instrumentos, utilizados para massificar uma conduta cultural hegemônica, vêm sendo utilizados para a emancipação de comunidades indígenas, comunidades periféricas e movimentos populares e de contracultura. O acesso aos novos meios de telecomunicação, microeletrônica e informática (telemática) proporciona a criação de novas formas de mobilização na “periferia” do sistema-mundo cultural. Essa oportunidade possibilita à “periferia” criar novas formas de inventar/reinventar o mundo, formar opinião e debater assuntos centrais através da arte.

.

Assistimos uma verdadeira rebelião da cultura popular sobre a cultura de massa, utilizando instrumentos que, originalmente, foram criados no berço da cultura padronizada. Documentários realizados com câmeras digitais comuns, curtas-metragens feitos com câmeras de telefones celulares, músicas produzidas em home studio, a ascensão das “rádios-favela”, o uso da blogosfera para questionar as “verdades” jornalísticas…

Marco Abreu dos Santos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: